museu de arte popular

Avatarfechado em Belém mas aberto aqui

O Museu de Arte Popular e a Política do Gosto do SPN

Uma das ideias que acompanhou a política do SPN em torno da arte popular portuguesa foi a da promoção de uma estética simultaneamente moderna e nacional, alargada a várias áreas da vida quotidiana. As artes decorativas em geral e as artes gráficas em particular foram um alvo preferencial da acção de António Ferro e a revista Panorama, criada em 1941, é o testemunho dessa estilização moderna e livre dos motivos do folclore. O Museu de Arte Popular – concebido também como fonte de inspiração para as artistas portugueses -- foi uma peça fundamental dessa política do gosto levada a cabo por Ferro em colaboração com a equipa de pintores-decoradores do Secretariado.  

Neste sentido o Museu de Arte Popular e toda a política etnográfica do SPN/SNI encontra-se já em embrião nos anos 20. Logo em 1921, António Ferro dirigiu a Ilustração Portuguesa, revista que, ao mesmo tempo que defendia a integração de Portugal “na hora que passa”, fazia a promoção de uma estética folclorista na criação de bailados portugueses modernos – uma ideia que só viria a tomar forma com o Verde-Gaio, em 1940. A preocupação de Ferro era então a de construir uma imagem de Portugal enquanto nação moderna, plena de vitalidade no tempo presente, mas mantendo uma identidade distinta de todas as outras nações. Em 1922 as suas convicções foram certamente reforçadas com a sua participação na Semana de Arte Moderna em São Paulo, que reunia um grupo de artistas brasileiros precisamente preocupados em conjugar o moderno com a procura das raízes da cultura brasileira.  

A existência do MAP, acompanhada pela edição da revista Panorama, pela criação do Verde Gaio ou ainda pela edificação das Pousadas de Portugal documenta muito mais do que uma ideologia política própria do Estado Novo. Testemunha um pensamento de raiz modernista que atravessou fronteiras e contagiou intelectuais e artistas como o mexicano Diego Rivera ou os brasileiros Mário de Andrade e Heitor Villa-Lobos.

Vera Marques Alves




Capas de Bernardo Marques para a revista Panorama (números 1, ano 1, 1941 e 8, ano 1, 1942).

0 comentários:

Publicar um comentário